Reservados os direitos de autor.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Voar sem Asas


















Como pardal que procura comida.
Salto de galho em galho.
Num bater de asas que obriga,
destreza sem encalho.

Procuro nas sementes da esperança,
o alimento da nostalgia.
Nas folhas verdes, a confiança...
De poder acreditar na magia.

Sou pássaro, ave e condor.
Que voa sem medo ou receio,
procurando o astro mor.
Onde irei buscar meu centeio.

Busco água, no rio seco.
Amor no coração partido.
Na noite de luar, eu peco!
Esquecendo o que não tem sentido.

3 comentários:

  1. Longa vida

    para este jovem blog!

    Saudações poéticas

    ResponderEliminar
  2. Muito obrigado por me ler.

    Saudaçoes poéticas

    ResponderEliminar
  3. Que maravilha achei aqui
    Você é especial
    Parabéns
    Lua Singular

    ResponderEliminar